Luciana Bicca

Responsável Técnica

CRP: 08/20957

Especializada em atendimento a surdos e familiares

Atendimento online com ferramentas tecnológicas

A Abordagem

A TERAPIA SISTÊMICA

A Terapia Sistêmica foca nas relações. Ela compreende o indivíduo integrado ao seu contexto familiar e sociocultural, e realça a complementariedade existente entre os seres humanos.

Por praticar uma abordagem relacional, o terapeuta sistêmico interage com o cliente - entendendo-se por cliente a família, o casal ou o cliente individual - numa postura de proximidade e sintonia. Deste modo, experimenta emoções distintas durante cada atendimento, e é essencial que ele tenha consciência de si mesmo e de como sua história pessoal e familiar interfere em seu modo de entender a realidade e relacionar-se com ela.

A meta é a liberação do indivíduo de seus aprisionamentos passados, para que deixe de reagir à sua história e passe a agir e se conduzir dentro de uma proposta relacional atualizada e pessoal com sua família de origem e com sua vida. Busca-se o desenvolvimento da individualidade, mantendo a conexão com a família, integrando o ser autônomo e o pertencer.

O foco da terapia sistêmica é possibilitar a autonomia ao sujeito, despertar a consciência acerca das responsabilidades, das escolhas, e estimular a mudança nas pautas disfuncionais. Ao promover uma mudança no sistema familiar, muda-se automaticamente o padrão de interações interpessoais nesse contexto. Portanto, é necessário à atualização e divulgação desse saber para a promoção de um atendimento de qualidade nas relações sistêmicas.

Bibliografia

APONTE, Harry J. - Treinamiento de la persona del terapeuta en terapia familiar sistemica. Sistemas familiares, Dez. 1992.

MIERMONT, J. (1994). Dicionário de terapias familiares: teoria e prática. (p. 33-39). Porto Alegre: Artes Médicas.

RELVAS, A.P.(1999). Conversas com famílias: discursos e perspectivas em terapia familiar. p.11-38. Porto: Afrontamento.

SADOCK, B. J.; SADOCK, V. A. Compêndio de psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clinica. 9ª edição - Porto Alegre: Artmed, 2007.

WALDEMAR, J. O. Terapia de Casal. Em: Cordioli, A.V. (org) Psicoterapias: abordagens atuais. (246-262). 3ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Ansiedade

Um dos grandes males da sociedade, diferente da ansiedade normal, que sentimos antes de fazer uma avaliação ou de uma entrevista de emprego, a ansiedade patológica é um transtorno sério, se não tratado pode desencadear crises de pânico. É um estado psíquico de apreensão ou medo provocado pela antecipação de uma situação desagradável ou perigosa.

TERAPIA FAMILIAR SISTÊMICA
Depressão

É caracterizada pela perda ou diminuição de interesse e o prazer pela vida, gera angústia e prostração é caracterizada pela perda ou diminuição de interesse e prazer pela vida. Hoje, a depressão é considerada a quarta principal causa de incapacitação, segundo a Organização Mundial de Saúde.

Inicialmente é importante identificar o conceito de família. Por mais que atualmente a família venha sofrendo modificações na sua estrutura, falando-se em família na contemporaneidade, ela ainda dispõe do mesmo conceito. Para Osório e Valle (2011), a família tem a função de transmitir valores éticos, estéticos, religiosos e culturais. Ela é a primeira “instituição” pela qual o indivíduo passa. É nela que se obtêm os primeiros conhecimentos da vida, como comer, falar, andar e outros aprendizados que passam de geração em geração. Segundo Krom (2000), é nesses aprendizados que se vivem os processos psicológicos vistos pela psicologia como importantes para construção do self. Para a linha teórica sistêmica, existem as famílias funcionais e as disfuncionais. Para Souza (2005), as funcionais são aquelas famílias que quando se deparam com um problema conseguem encontrar meios para administrá-los. Já as disfuncionais são aquelas presas a padrões ineficazes, mas que transmitem certa segurança por serem habituais.” (SOUZA, 2005, p. 132).

KROM, M. Família e mitos: prevenção e terapia: resgatando histórias. São Paulo: Summus, 2000

OSORIO, L. C.; VALLE, M. E. P. (Org.). Manual de Terapia Familiar. Porto Alegre: Artmed, 2009.

OSORIO, L. C.; VALLE, M. E. P. (Org.). Manual de Terapia Familiar: volume II. Porto Alegre: Artmed, 2011.

ROSSET, S. M. Pais e filhos: uma relação delicada. Curitiba: Sol, 2007.

SOUZA, N. H. S. A Família em terapia. In: MACEDO, M. M. K.; CARRASCO, L. K. (Con)textos de entrevistas: olhas diversos sobre a interação humana. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.